Header Ads

Crítica | Colegas


Grande vencedor do Festival de Cinema de Gramado desse ano, o longa “Colegas”, de Marcelo Galvão (“Quarta B”), procura fazer uma homenagem ao cinema no formato de uma comédia/road-movie com diversas referências à sétima arte. Entretanto, o roteiro limitado prejudica a proposta inicial, que se salva apenas pelo carisma do trio principal.

Na trama, escrita pelo próprio Galvão, três jovens com Síndrome de Down fogem do instituto onde moram e embarcam numa aventura ao estilo “Thelma & Louise” pelas estradas brasileiras. Financiando sua viagem com assaltos realizados com uma arma de brinquedo, os três procuram realizar seus respectivos sonhos: ver o mar, casar e voar. Porém, as aventuras do trio acaba colocando uma dupla de detetives na sua cola.

Recheado de citações cinematográficas, que vão das mais simples - como os nomes de “Cães de Aluguel” - até outras mais específicas (a do origami de “Blade Runner” é genial), o roteiro até se sustenta enquanto se propõe a fazer apenas uma homenagem à arte. O problema é que, quando procura fazer alguma piada “original”, o texto acabe apelando para concursos de arrotos ou masturbação em tentativas frustradas de fazer graça.

Do elenco, Ariel Goldenberg (que já havia trabalhado com o diretor no curta “Ouija) e Rita Pokk conseguem transmitir ao mesmo tempo emoção e inocência inerentes aos seus personagens, mas o destaque fica mesmo para Breno Viola. O garoto que quer voar demonstra um ótimo timming cômico e é responsável pelos melhores momentos do longa – como a hilária cena em que ele leva seu próprio retrato de “procurado” para assaltar um mercadinho.

E o fato de ter narração de Lima Duarte é algo que sempre contará como um ponto positivo. Mas o mesmo não pode ser dito da dupla de policiais, que, por mais que sejam interpretados com qualidade por Deto Montenegro e Rui Unas, acabam relegados ao papel de oficiais burros que não vêem os fugitivos passando do seu lado ou a referências deslocadas de “Taxi Driver” e “Psicose”.

Ao final, Colegas é um filme que provavelmente tem mais defeitos do que qualidades, mas a graça dos atores principais (e a trilha sonora composta por sucessos de Raul Seixas) compensa seus equívocos.

(idem - Brasil - Comédia - 100 min. - 2012)
Direção: Marcelo Galvão
Roteiro: Marcelo Galvão
Elenco: Ariel Goldenberg, Rita Pokk, Breno Viola, Lima Duarte, Rui Unas, Deto Montenegro, Leonardo Miggiorin, Amélia Bittencourt.

Nota: (Bom) por Daniel Medeiros

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.