Header Ads

Limite é eleito o melhor filme brasileiro de todos os tempos



Único longa-metragem dirigido por Mario Peixoto e apresentado pela primeira vez em 1931, Limite é o melhor filme brasileiro de todos os tempos, de acordo com o ranking da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine), que contou com a participação de 100 críticos e jornalistas especializados do país.

Em segundo lugar aparece Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha, um dos filmes mais importantes do movimento do Cinema Novo. Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos, baseado no livro homônimo de Graciliano Ramos, lançado em 1963, fecha o pódio brasileiro, na terceira posição.

A lista não se limitou aos longas, com Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado, sendo o curta mais votado, ocupando a 13ª colocação. Também não houve distinção entre ficção e documentário, gênero que tem em Cabra Marcado para Morrer (1984), de Eduardo Coutinho, o seu representante melhor ranqueado, no quarto posto.

O levantamento da Abraccine é o ponto de partida do livro Os 100 Melhores Filmes Brasileiros, que será lançado em 2016, pela editora Letramento, primeiro de uma série de publicações coordenada pela entidade. O livro reunirá ensaios de cada um dos filmes mais votados, escritos pelos principais críticos de cinema do país.

“Foram citados 379 filmes, número surpreendente para uma cinematografia construída sobre ciclos. Mesmo os que ficaram de fora dos 100 melhores têm a sua contribuição na história do cinema do país, o que nos ajuda a perceber a grandeza de nossa produção”, observa Paulo Henrique Silva, presidente da Abraccine.

Ele registra que os principais movimentos estão representados no ranking, dos diretores pioneiros como Humberto Mauro e Mario Peixoto e da chanchada à fase de retomada da produção nacional, passando pelo Cinema Novo e pelo Udigrudi. Também não foram esquecidos diretores que tiveram uma carreira singular no cinema brasileiro.

É o caso de José Mojica Marins, o criador do personagem Zé do Caixão, durante muitos anos o único realizador a trabalhar com o terror. Marins aparece três vezes na lista, com À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964), 46º posto, O Despertar da Besta (1969), 55º, e Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1966), 90º.

Glauber Rocha é o diretor com maior número de citações: cinco. Foram lembrados Deus e o Diabo na Terra do Sol (2º), Terra em Transe (5º), O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (33º), A Idade da Terra (57º) e Di (88º). Com quatro, estão Rogério Sganzerla, Joaquim Pedro de Andrade, Nelson Pereira dos Santos, Hector Babenco e Carlos Reichenbach.

A Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) foi criada em 2011, tornando-se a primeira entidade nacional a reunir os críticos de cinema do Brasil. Com mais de 100 associados em 14 Estados, a Abraccine organiza os júris da crítica nos principais festivais do país, além de promover debates e seminários.

Curiosidades 

O filme mais antigo da lista é justamente o que o ocupa o topo do ranking, Limite, lançado em 1931, seguido por Ganga Bruta (1933), de Humberto Mauro, na 24ª colocação, e O Cangaceiro (1953), de Lima Barreto, 64º lugar no cômputo geral.

A obra mais recente listada entre os 100 melhores é Que Horas Ela Volta?, de Anna Muylaert, apresentada nesse ano. O Lobo Atrás da Porta, de Fernando Coimbra, exibida em 2013, aparece na 60ª posição. Mesmo ano de Tatuagem, de Hilton Lacerda, o 73º mais votado.

Cinco curtas/médias entraram no ranking de melhores: Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado, em 13º lugar; SuperOutro (1989), de Edgar Navarro, em 44º; Di (1977), de Glauber Rocha, em 88º; Aruanda (1960), de Linduarte Noronha, em 94º; e Blá Blá Blá (1968), de Andrea Tonacci, em 96º.

Dos cinco documentários fundamentais da história do cinema brasileiro, os três primeiros têm a assinatura de Eduardo Coutinho. 1) Cabra Marcado para Morrer (1984); 2) Jogo de Cena (2007);  3) Edifício Master (2002). Completam a lista: 4) Serras da Desordem (2006), de Andrea Tonacci; e 5) Santiago (2007), de João Moreira Salles.

A lista dos 10 primeiros filmes desse milênio tem: 1) Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles; 2) O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho; 3) Lavoura Arcaica (2001), de Luiz Fernando Carvalho; 4) Jogo de Cena (2007), de Eduardo Coutinho; 5) Edifício Master (2002), também de Coutinho; 5) Tropa de Elite (2007), de José Padilha; 6) Serras da Desordem (2006), de Andrea Tonacci; 7) Santiago, de João Moreira Salles; 8) Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro (2010), de José Padilha; 9) O Invasor (2002), de Beto Brant; 10) Abril Despedaçado (2001), de Walter Salles.

Confira abaixo a lista completa.

1.        Limite (1931), de Mario Peixoto
2.        Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), de Glauber Rocha
3.        Vidas Secas (1963), de Nelson Pereira dos Santos
4.        Cabra Marcado para Morrer (1984), de Eduardo Coutinho
5.        Terra em Transe (1967), de Glauber Rocha
6.        O Bandido da Luz Vermelha (1968), de Rogério Sganzerla
7.        São Paulo S/A (1965), de Luís Sérgio Person
8.        Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles
9.        O Pagador de Promessas (1962), de Anselmo Duarte
10.      Macunaíma (1969), de Joaquim Pedro de Andrade
11.      Central do Brasil (1998), de Walter Salles
12.      Pixote, a Lei do Mais Fraco (1981), de Hector Babenco
13.      Ilha das Flores (1989), de Jorge Furtado
14.      Eles Não Usam Black-Tie (1981), de Leon Hirszman
15.     O Som ao Redor (2012), de Kleber Mendonça Filho
16.     Lavoura Arcaica (2001), de Luiz Fernando Carvalho
17.     Jogo de Cena (2007), de Eduardo Coutinho
18.     Bye Bye, Brasil (1979), de Carlos Diegues
19.     Assalto ao Trem Pagador (1962), de Roberto Farias
20.     São Bernardo (1974), de Leon Hirszman
21.     Iracema, uma Transa Amazônica (1975), de Jorge Bodansky e Orlando Senna
22.     Noite Vazia (1964), de Walter Hugo Khouri
23.     Os Fuzis (1964), de Ruy Guerra
24.     Ganga Bruta (1933), de Humberto Mauro
25.     Bang Bang (1971), de Andrea Tonacci
26.     A Hora e a Vez de Augusto Matraga (1968), de Roberto Santos
27.     Rio, 40 Graus (1955), de Nelson Pereira dos Santos
28.     Edifício Master (2002), de Eduardo Coutinho
29.     Memórias do Cárcere (1984), de Nelson Pereira dos Santos
30.     Tropa de Elite (2007), de José Padilha
31.     O Padre e a Moça (1965), de Joaquim Pedro de Andrade
32.     Serras da Desordem (2006), de Andrea Tonacci
33.     Santiago (2007), de João Moreira Salles
34.     O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969), de Glauber Rocha
35.     Tropa de Elite 2 – O Inimigo Agora é Outro (2010), de José Padilha
36.     O Invasor (2002), de Beto Brant
37.     Todas as Mulheres do Mundo (1967), de Domingos Oliveira
38.     Matou a Família e Foi ao Cinema (1969), de Julio Bressane
39.     Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976), de Bruno Barreto
40.     Os Cafajestes (1962), de Ruy Guerra
41.     O Homem do Sputnik (1959), de Carlos Manga
42.     A Hora da Estrela (1985), de Suzana Amaral
43.     Sem Essa Aranha (1970), de Rogério Sganzerla
44.     SuperOutro (1989), de Edgard Navarro
45.     Filme Demência (1986), de Carlos Reichenbach
46.     À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964), de José Mojica Marins
47.     Terra Estrangeira (1996), de Walter Salles e Daniela Thomas
48.     A Mulher de Todos (1969), de Rogério Sganzerla
49.     Rio, Zona Norte (1957), de Nelson Pereira dos Santos
50.     Alma Corsária (1993), de Carlos Reichenbach
51.     A Margem (1967), de Ozualdo Candeias
52.     Toda Nudez Será Castigada (1973), de Arnaldo Jabor
53.     Madame Satã (2000), de Karim Ainouz
54.     A Falecida (1965), de Leon Hirzman
55.     O Despertar da Besta – Ritual dos Sádicos (1969), de José Mojica Marins
56.     Tudo Bem (1978), de Arnaldo Jabor (1978)
57.     A Idade da Terra (1980), de Glauber Rocha
58.     Abril Despedaçado (2001), de Walter Salles
59.     O Grande Momento (1958), de Roberto Santos
60.     O Lobo Atrás da Porta (2014), de Fernando Coimbra
61.     O Beijo da Mulher-Aranha (1985), de Hector Babenco
62.     O Homem que Virou Suco (1980), de João Batista de Andrade
63.     O Auto da Compadecida (1999), de Guel Arraes
64.     O Cangaceiro (1953), de Lima Barreto
65.     A Lira do Delírio (1978), de Walter Lima Junior
66.     O Caso dos Irmãos Naves (1967), de Luís Sérgio Person
67.     Ônibus 174 (2002), de José Padilha
68.     O Anjo Nasceu (1969), de Julio Bressane
69.     Meu Nome é... Tonho (1969), de Ozualdo Candeias
70.     O Céu de Suely (2006), de Karim Ainouz
71.     Que Horas Ela Volta? (2015), de Anna Muylaert
72.     Bicho de Sete Cabeças (2001), de Laís Bondanzky
73.     Tatuagem (2013), de Hilton Lacerda
74.     Estômago (2010), de Marcos Jorge
75.     Cinema, Aspirinas e Urubus (2005), de Marcelo Gomes
76.     Baile Perfumado (1997), de Paulo Caldas e Lírio Ferreira
77.     Pra Frente, Brasil (1982), de Roberto Farias
78.     Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1976), de Hector Babenco
79.     O Viajante (1999), de Paulo Cezar Saraceni
80.     Anjos do Arrabalde (1987), de Carlos Reichenbach
81.     Mar de Rosas (1977), de Ana Carolina
82.     O País de São Saruê (1971), de Vladimir Carvalho
83.     A Marvada Carne (1985), de André Klotzel
84.     Sargento Getúlio (1983), de Hermano Penna
85.     Inocência (1983), de Walter Lima Jr.
86.     Amarelo Manga (2002), de Cláudio Assis
87.     Os Saltimbancos Trapalhões (1981), de J.B. Tanko
88.     Di (1977), de Glauber Rocha
89.     Os Inconfidentes (1972), de Joaquim Pedro de Andrade
90.     Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1966), de José Mojica Marins
91.     Cabaret Mineiro (1980), de Carlos Alberto Prates Correia
92.     Chuvas de Verão (1977), de Carlos Diegues
93.     Dois Córregos (1999), de Carlos Reichenbach
94.     Aruanda (1960), de Linduarte Noronha
95.     Carandiru (2003), de Hector Babenco
96.     Blá Blá Blá (1968), de Andrea Tonacci
97.     O Signo do Caos (2003), de Rogério Sganzerla
98.     O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias (2006), de Cao Hamburger
99.     Meteorango Kid, Herói Intergalactico (1969), de Andre Luis Oliveira
100.  Guerra Conjugal (1975), de Joaquim Pedro de Andrade (*)
101.  Bar Esperança, o Último que Fecha (1983), de Hugo Carvana (*)

(*) Empatados na última colocação, com o mesmo número de pontos.

Fonte: Carolina Moraes - Assessoria de Imprensa - Trombone Comunica

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.